2 e 3 de Junho de 2014

Leilão de arte presencial, online e via telefone. Clique aqui para se cadastrar e participar online.
Para vender obras através de nosso leilão, entre em contato através do lisboa@leilaodearte.com.
Artista
Lote 1

Freycinet, Louis Claude Desaulces De

BRÉSIL, DÉTAIL D‘UNE MAISON DE LA VILLE50 x 34 cmgravura em metal, aquarelado1825A primeira planta existente de uma casa urbana do Rio de Janeiro, no álbum de gravuras de um grande viajante francês. Reproduzido no livro "Brasiliana", Itaú, à p. 182.
Lote 2

Freycinet, Louis Claude Desaulces De

BAIA DO RIO DE JANEIRO VISTA DA PRAIA GRANDE28 x 35 cmgravura em metal, aquarelado1825eproduzido no livro "Brasiliana", Itaú, à p. 182.
Lote 3

F. Gudin, Skelton

A TOMADA DO RIO DE JANEIRO EM 22 DE SETEMBRO DE 1711, POR DUGUAY-TROUIN27 x 35 cmgravura em metal, aquareladoséc. XIX
Lote 4

Duché De Vancy

VUE DE L‘ISLE SAINTE CATHERINE38 x 51 cmgravura em metal, aquarelado1798Atlas du Voyage de la Pérouse. Reproduzido no livro "Desterro, Ilha de Santa Catarina" de Gilberto Gerlach,tomo I, à p.81 e 82.
Lote 5

Eugênio Rodrigues

PEQUENO PANORAMA DUPLO DA BAHIA33 x 27 cmlitografia aquarelada1857"Atlante della Guida Generale per la Navigazione" - VEDUTA DELLA CITTA DE SALVATOR O BAHIA - VEDUTA DO FAROL DA BAHIA Biografia Borba de Moraes, II, p. 743.
Lote 6

Autor Não Identificado

3 VISTAS DE CIDADES COM PAISAGEM CENTRAL E VIGNETAS EXPLICA TIVAS32 x 38 cmgravura em aço, aquareladoc. 1850BRASIL - Vista central com a cidade do Rio de Janeiro vista do mosteiro de São Bento
Lote 7

Autor Não Identificado

3 VISTAS DE CIDADES COM PAISAGEM CENTRAL E VIGNETAS EXPLICA TIVAS32 x 38 cmgravura em aço, aquareladoc.1850PERU, BOLIVIA, CHILE - Vista central com a Cidade de Lima, catedral.
Lote 8

Autor Não Identificado

3 VISTAS DE CIDADES COM PAISAGEM CENTRAL E VIGNETAS EXPLICA TIVAS32 x 38 cmgravura em aço, aquareladoc. 1850MÉXICO E COLUMBIA - Vista central com a cidade do México visto do mosteiro São Cosmo.
Lote 9

Carl. F.p. Von Martius

PROSPECTUS E JUGO SERRA D‘ESTRELLA IN SINUM SEBASTIANO-POLITANUM30,5 x 40,5 cmlitografias em sépia1850(Panorama da Baia de São Sebastião de Rio de Janeiro, vista da Serra de Estrella). "Physionomicae in Flora Brasiliensis". Reproduzido nos livros Borba de Moraes, II, à p.529, "Brasiliana" Itaú, à p. 212-213. Exemplars tirados de um álbum do famoso botânico alemão Martius, reunindo um conjunto de belíssimas imagens de floresta virgem e paisagens jamais transpostas para a pedra litográfica e o papel (cf. comentários sobre Spix & Martius, no item 142).
Lote 10

Carl. F.p. Von Martius

SILVA PRIMAEVA... PROPE JACATIBA IN PROVINCIA SEBASTIANOPOLITANA30,5 x 40,5 cmlitografias em sépia1850(Floresta Primitiva perto de Jacatiba, da província da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro)."Physionomicae in Flora Brasiliensis". Reproduzido nos livros Borba de Moraes, II, à p.529, "Brasiliana" Itaú, à p. 212-213. Exemplars tirados de um álbum do famoso botânico alemão Martius, reunindo um conjunto de belíssimas imagens de floresta virgem e paisagens jamais transpostas para a pedra litográfica e o papel (cf. comentários sobre Spix & Martius, no item 142).
Lote 11

Marc Ferrez

RIO DE JANEIRO "BAIRRO DO CATETE" VISTA TOMADA DA GLORIA30 x 39 cmxilogravura aquareladafinal séc. XIXObras desenhadas a partir de um fotógrafo de Marc FERREZ.
Lote 12

Marc Ferrez

RIO DE JANEIRO "PARQUE DA ACLAMAÇÃO"30 x 39 cmxilogravura aquareladafinal séc. XIXObras desenhadas a partir de um fotógrafo de Marc FERREZ.
Lote 13

M. Veisenbach

ENTRADA DA BAIA DE RIO DE JANEIRO" VISTA TOMADA DO CORCOVADO"22 x 29 cmfotolitogravura aquareladainício do séc. XX
Lote 14

Autor Não Identificado

SABARA - PROVÍNCIA DE MINAS GERAIS19 x 28,5 cmxilogravura aquareladafinal do séc. XIXObra desenhada a partir de uma fotografia de Augusto RIEDEL.
Lote 15

M. Paris

BATEAUX DE TRANSPORT ET DE PASSAGE DE RIO DE JANEIROlitografia em cor1870"Nas faluas e um saveiro com velas desfraldadas, vendo-se ao longo o Pico da Tijuca" (G. FERREZ). Reproduzido e comentado in Gilberto FERREZ, Iconografia do Rio de Janeiro, I. à p. 309.
Lote 16

Autor Não Identificado

PANORAMA DO RIO DE JANEIRO NA ÉPOCA DA DECLARAÇÃO DA REPÚBLICA23 x 60 cmxilogravura aquarelada1889Viajante Inglês Anônimo.
Lote 17

J. T. Hammond

PANORAMA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO10,5 x 38,7 cmgravura em metal, aquarelado1831Com a representação do próprio artista, no primeiro plano. Reproduzido in "Gilberto Ferrez, Iconografia do Rio de Janeiro (1530 - 1890), Catálogo Analítico, à p. 310."
Lote 18

Autor Não Identificado

PANORAMA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO VISTA DE NITEROY18 x 54 cmxilografia aquarelada1889Artista viajante inglês anônimo. Redução de uma obra fazendo parte do acervo do Museu de Arte do Rio de Janeiro.
Lote 19

Francisco Henrique Carls

VISTA DO RECIFE (TIRADO DO OBSERVATÓRIO)30 x 40 cmcromolitografia1873Tirada do Álbum "Pernambuco e seus Arrabaldes". Reproduzido no livro "Brasiliana", Itaú, à p. 328.
Lote 20

Francisco Henrique Carls

PATEO DO TERÇO (RECIFE)30 x 40 cmcromolitografia1873Tirada do Álbum "Pernambuco e seus Arrabaldes". Reproduzido no livro "Brasiliana", Itaú, à p. 328.
Lote 21

Francisco Henrique Carls

CIDADE DA ESCADA (TIRADA DO SÍTIO ATALAYA)30 x 40 cmcromolitografia1873Tirada do Álbum "Pernambuco e seus Arrabaldes". Reproduzido no livro "Brasiliana", Itaú, à p. 328.
Lote 22

H. De Bougainville, E. B. De La Touanne

ILHA DE BOA VIAGEM NA BAÍA DO RIO DE JANEIRO32 x 35 cmlitografia aquarelada1837Journal de la Navigation Autour du Globe de la Frégate la Thetis et de la Corvette l`Espérance. O chefe dessa expedição era filho do famoso navegador francês Bougainville e, como o pai, realizou uma viagem ao redor do mundo. As gravuras mostram alguns pontos de vista únicos e confirmam que o topo do Corcovado era já usado como belvedere nos anos 1830. Também muito interessante é a vista tomada do terraço da casa do cônsul inglês, a linda vista da Igreja da Gloria, os arredores do Rio de Janeiro e uma visão tempestuosa da Gávea. Reproduzido nos livros "Brasiliana", Itaú, à p. 204 e Borba de Moraes I, à p. 115
Lote 23

H. De Bougainville, E. B. De La Touanne

VISTA TOMADA DO TOPO DO CORCOVADO32 x 35 cmlitografia aquarelada1837Journal de la Navigation Autour du Globe de la Frégate la Thetis et de la Corvette l`Espérance. O chefe dessa expedição era filho do famoso navegador francês Bougainville e, como o pai, realizou uma viagem ao redor do mundo. As gravuras mostram alguns pontos de vista únicos e confirmam que o topo do Corcovado era já usado como belvedere nos anos 1830. Também muito interessante é a vista tomada do terraço da casa do cônsul inglês, a linda vista da Igreja da Gloria, os arredores do Rio de Janeiro e uma visão tempestuosa da Gávea. Reproduzido nos livros "Brasiliana", Itaú, à p. 204 e Borba de Moraes I, à p. 115
Lote 24

H. De Bougainville, E. B. De La Touanne

O CORCOVADO VISTO DA CASA DO CONSUL DA INGLATERRA32 x 35 cmlitografia aquarelada1837Journal de la Navigation Autour du Globe de la Frégate la Thetis et de la Corvette l`Espérance. O chefe dessa expedição era filho do famoso navegador francês Bougainville e, como o pai, realizou uma viagem ao redor do mundo. As gravuras mostram alguns pontos de vista únicos e confirmam que o topo do Corcovado era já usado como belvedere nos anos 1830. Também muito interessante é a vista tomada do terraço da casa do cônsul inglês, a linda vista da Igreja da Gloria, os arredores do Rio de Janeiro e uma visão tempestuosa da Gávea. Reproduzido nos livros "Brasiliana", Itaú, à p. 204 e Borba de Moraes I, à p. 115
Lote 25

H. De Bougainville, E. B. De La Touanne

PRAIA DA GLÓRIA NA BAÍA DO RIO DE JANEIRO32 x 35 cmlitografia aquarelada1837Journal de la Navigation Autour du Globe de la Frégate la Thetis et de la Corvette l`Espérance. O chefe dessa expedição era filho do famoso navegador francês Bougainville e, como o pai, realizou uma viagem ao redor do mundo. As gravuras mostram alguns pontos de vista únicos e confirmam que o topo do Corcovado era já usado como belvedere nos anos 1830. Também muito interessante é a vista tomada do terraço da casa do cônsul inglês, a linda vista da Igreja da Gloria, os arredores do Rio de Janeiro e uma visão tempestuosa da Gávea. Reproduzido nos livros "Brasiliana", Itaú, à p. 204 e Borba de Moraes I, à p. 115
Lote 26

H. De Bougainville, E. B. De La Touanne

ENTRADA DA BAÍA DO RIO DE JANEIRO32 x 35 cmlitografia aquarelada1837Journal de la Navigation Autour du Globe de la Frégate la Thetis et de la Corvette l`Espérance. O chefe dessa expedição era filho do famoso navegador francês Bougainville e, como o pai, realizou uma viagem ao redor do mundo. As gravuras mostram alguns pontos de vista únicos e confirmam que o topo do Corcovado era já usado como belvedere nos anos 1830. Também muito interessante é a vista tomada do terraço da casa do cônsul inglês, a linda vista da Igreja da Gloria, os arredores do Rio de Janeiro e uma visão tempestuosa da Gávea. Reproduzido nos livros "Brasiliana", Itaú, à p. 204 e Borba de Moraes I, à p. 115
Lote 27

H. De Bougainville, E. B. De La Touanne

VISTA DA GÁVEA NO RIO DE JANEIRO32 x 35 cmlitografia aquarelada1837Journal de la Navigation Autour du Globe de la Frégate la Thetis et de la Corvette l`Espérance. O chefe dessa expedição era filho do famoso navegador francês Bougainville e, como o pai, realizou uma viagem ao redor do mundo. As gravuras mostram alguns pontos de vista únicos e confirmam que o topo do Corcovado era já usado como belvedere nos anos 1830. Também muito interessante é a vista tomada do terraço da casa do cônsul inglês, a linda vista da Igreja da Gloria, os arredores do Rio de Janeiro e uma visão tempestuosa da Gávea. Reproduzido nos livros "Brasiliana", Itaú, à p. 204 e Borba de Moraes I, à p. 115
Lote 28

H. De Bougainville, E. B. De La Touanne

IGREJA DA GLÓRIA NO RIO DE JANEIRO32 x 35 cmlitografia aquarelada1837Journal de la Navigation Autour du Globe de la Frégate la Thetis et de la Corvette l`Espérance. O chefe dessa expedição era filho do famoso navegador francês Bougainville e, como o pai, realizou uma viagem ao redor do mundo. As gravuras mostram alguns pontos de vista únicos e confirmam que o topo do Corcovado era já usado como belvedere nos anos 1830. Também muito interessante é a vista tomada do terraço da casa do cônsul inglês, a linda vista da Igreja da Gloria, os arredores do Rio de Janeiro e uma visão tempestuosa da Gávea. Reproduzido nos livros "Brasiliana", Itaú, à p. 204 e Borba de Moraes I, à p. 115
Lote 29

H. De Bougainville, E. B. De La Touanne

CASCATA DA TIJUCA NO RIO DE JANEIRO32 x 35 cmlitografia aquarelada1837Journal de la Navigation Autour du Globe de la Frégate la Thetis et de la Corvette l`Espérance. O chefe dessa expedição era filho do famoso navegador francês Bougainville e, como o pai, realizou uma viagem ao redor do mundo. As gravuras mostram alguns pontos de vista únicos e confirmam que o topo do Corcovado era já usado como belvedere nos anos 1830. Também muito interessante é a vista tomada do terraço da casa do cônsul inglês, a linda vista da Igreja da Gloria, os arredores do Rio de Janeiro e uma visão tempestuosa da Gávea. Reproduzido nos livros "Brasiliana", Itaú, à p. 204 e Borba de Moraes I, à p. 115
Lote 30

H. De Bougainville, E. B. De La Touanne

VISTA DO RIO DE JANEIRO32 x 35 cmlitografia aquarelada1837Journal de la Navigation Autour du Globe de la Frégate la Thetis et de la Corvette l`Espérance. O chefe dessa expedição era filho do famoso navegador francês Bougainville e, como o pai, realizou uma viagem ao redor do mundo. As gravuras mostram alguns pontos de vista únicos e confirmam que o topo do Corcovado era já usado como belvedere nos anos 1830. Também muito interessante é a vista tomada do terraço da casa do cônsul inglês, a linda vista da Igreja da Gloria, os arredores do Rio de Janeiro e uma visão tempestuosa da Gávea. Reproduzido nos livros "Brasiliana", Itaú, à p. 204 e Borba de Moraes I, à p. 115
Lote 31

H. De Bougainville, E. B. De La Touanne

VISTA DE UMA RUA DO RIO DE JANEIRO32 x 35 cmlitografia aquarelada1837Journal de la Navigation Autour du Globe de la Frégate la Thetis et de la Corvette l`Espérance. O chefe dessa expedição era filho do famoso navegador francês Bougainville e, como o pai, realizou uma viagem ao redor do mundo. As gravuras mostram alguns pontos de vista únicos e confirmam que o topo do Corcovado era já usado como belvedere nos anos 1830. Também muito interessante é a vista tomada do terraço da casa do cônsul inglês, a linda vista da Igreja da Gloria, os arredores do Rio de Janeiro e uma visão tempestuosa da Gávea. Reproduzido nos livros "Brasiliana", Itaú, à p. 204 e Borba de Moraes I, à p. 115
Lote 32

H. De Bougainville, E. B. De La Touanne

ARREDORES DO RIO DE JANEIRO32 x 35 cmlitografia aquarelada1837Journal de la Navigation Autour du Globe de la Frégate la Thetis et de la Corvette l`Espérance. O chefe dessa expedição era filho do famoso navegador francês Bougainville e, como o pai, realizou uma viagem ao redor do mundo. As gravuras mostram alguns pontos de vista únicos e confirmam que o topo do Corcovado era já usado como belvedere nos anos 1830. Também muito interessante é a vista tomada do terraço da casa do cônsul inglês, a linda vista da Igreja da Gloria, os arredores do Rio de Janeiro e uma visão tempestuosa da Gávea. Reproduzido nos livros "Brasiliana", Itaú, à p. 204 e Borba de Moraes I, à p. 115
Lote 33

H. De Bougainville, E. B. De La Touanne

CASCATA DA GRANDE TIJUCA PERTO DE RIO DE JANEIRO32 x 35 cmlitografia aquarelada1837Journal de la Navigation Autour du Globe de la Frégate la Thetis et de la Corvette l`Espérance. O chefe dessa expedição era filho do famoso navegador francês Bougainville e, como o pai, realizou uma viagem ao redor do mundo. As gravuras mostram alguns pontos de vista únicos e confirmam que o topo do Corcovado era já usado como belvedere nos anos 1830. Também muito interessante é a vista tomada do terraço da casa do cônsul inglês, a linda vista da Igreja da Gloria, os arredores do Rio de Janeiro e uma visão tempestuosa da Gávea. Reproduzido nos livros "Brasiliana", Itaú, à p. 204 e Borba de Moraes I, à p. 115
Lote 34

Louis Buvelot E Auguste Moreau

CONJUNTO DE 9 GRAVURAS32 x 47 cmlitografia aquarelada1842 - 1845CONJUNTO DE 9 GRAVURAS COM PÁGINA DE COBERTURA "FRONTISPÍCIO", DE LOUIS BUVELOT - AUGUSTE MOREAU. O mais raro e o primeiro dos álbuns impressos no Rio de Janeiro. É muito importante, pois caracteriza um marco na evolução técnica em artes gráficas. - FRON TISPÍCIO (capa). a) A GLÓRIA TOMADA DA ESTRADA. b) A QUINTA IMPERIAL EM ST° CRISTOVÃO. c) VISTAS DIVERSAS DO RIO DE JANEIRO , DOS QUAIS , "CHAFARIS NO LARGO DO MOURO " E "ENTRADA DO JARDIM PÚBLICO." d) VISTAS DIVERSAS DO RIO DE JANEIRO , DOS QUAIS , "LARGO DO PAÇO" E "ARCO DA FORTALEZA DE ST° CLEMENTE." e) VISTAS DIVERSAS DO RIO DE JANEIRO , DOS QUAIS , "LARGO DA MISERICORDIA" E "CAMINHO DO SACO D‘ALFERES." f) VISTAS DIVERSAS DO RIO DE JANEIRO , DOS QUAIS , "AQUEDUCO" E "RUA DIREITA." g) VISTAS DIVERSAS DO RIO DE JANEIRO , DOS QUAIS , "LAGOA DE FREITA" E "ILHA DE BOA VIAGEM." h) VISTAS DIVERSAS DO RIO DE JANEIRO , DOS QUAIS , "LARGO DE STª RITA" "CAMINHO DAS LARANJEIRAS." i) PONTE DE DESEMBARQUE, PRAIA D. MANUEL. Reproduzido no livro "Brasiliana", Itaú, à p. 308.
Lote 35

Adolphe D‘ Hastrel

PANORAMA TOMADO DE CIMA DO CORCOVADO31 x 45 cmlitografia aquarelada1847Adolphe d‘Hastrel, pintor francês, nascido em 1805, artista de talento, esteve em 1840 no Rio de Janeiro no círculo da corte imperial, sendo um protegido do Príncipe de Joinville. Aproveitou sua longa estadia na cidade do Rio de Janeiro para executar retratos imperiais, lindas paisagens da cidade a ser litografados em Paris e reunidos num álbum o famoso Panorama, tomado de cima do Corcovado, sendo hoje considerado mais raro que o próprio álbum. Reproduzido nos livros "Brasiliana", Itaú, à p. 208-209 e Borba de Moraes, I. à p. 394.
Lote 36

Adolphe D‘ Hastrel

RIO DE JANEIRO - UM MERCADO DE BARRACAS (USOS E COSTUMES).31 x 45 cmlitografia aquarelada1847Adolphe d‘Hastrel, pintor francês, nascido em 1805, artista de talento, esteve em 1840 no Rio de Janeiro no círculo da corte imperial, sendo um protegido do Príncipe de Joinville. Aproveitou sua longa estadia na cidade do Rio de Janeiro para executar retratos imperiais, lindas paisagens da cidade a ser litografados em Paris e reunidos num álbum o famoso Panorama, tomado de cima do Corcovado, sendo hoje considerado mais raro que o próprio álbum. Reproduzido nos livros "Brasiliana", Itaú, à p. 208-209 e Borba de Moraes, I. à p. 394.
Lote 37

Adolphe D‘ Hastrel

ILHA DAS COBRAS31 x 45 cmlitografia aquarelada1847Adolphe d‘Hastrel, pintor francês, nascido em 1805, artista de talento, esteve em 1840 no Rio de Janeiro no círculo da corte imperial, sendo um protegido do Príncipe de Joinville. Aproveitou sua longa estadia na cidade do Rio de Janeiro para executar retratos imperiais, lindas paisagens da cidade a ser litografados em Paris e reunidos num álbum o famoso Panorama, tomado de cima do Corcovado, sendo hoje considerado mais raro que o próprio álbum. Reproduzido nos livros "Brasiliana", Itaú, à p. 208-209 e Borba de Moraes, I. à p. 394.
Lote 38

Adolphe D‘ Hastrel

IGREJA DA LAPA E CONVENTO DE SANTA TERESA PERTO DO PASSEIO PÚBLICO31 x 45 cmlitografia aquarelada1847Adolphe d‘Hastrel, pintor francês, nascido em 1805, artista de talento, esteve em 1840 no Rio de Janeiro no círculo da corte imperial, sendo um protegido do Príncipe de Joinville. Aproveitou sua longa estadia na cidade do Rio de Janeiro para executar retratos imperiais, lindas paisagens da cidade a ser litografados em Paris e reunidos num álbum o famoso Panorama, tomado de cima do Corcovado, sendo hoje considerado mais raro que o próprio álbum. Reproduzido nos livros "Brasiliana", Itaú, à p. 208-209 e Borba de Moraes, I. à p. 394.
Lote 39

Adolphe D‘ Hastrel

SAÍDA DO PORTO VISTA TOMADA DO MORRO DO CASTELO31 x 45 cmlitografia aquarelada1847Adolphe d‘Hastrel, pintor francês, nascido em 1805, artista de talento, esteve em 1840 no Rio de Janeiro no círculo da corte imperial, sendo um protegido do Príncipe de Joinville. Aproveitou sua longa estadia na cidade do Rio de Janeiro para executar retratos imperiais, lindas paisagens da cidade a ser litografados em Paris e reunidos num álbum o famoso Panorama, tomado de cima do Corcovado, sendo hoje considerado mais raro que o próprio álbum. Reproduzido nos livros "Brasiliana", Itaú, à p. 208-209 e Borba de Moraes, I. à p. 394.
Lote 40

Barthélemy Lauvergne

PRAIA D. MANUEL E CAIS PHAROUX29 x 39 cmgravura em aquatinta1835Reproduzido no livro de Gilberto Ferrez "Iconografia de Rio de Janeiro", I. à p. 380.
Lote 41

Barthélemy Lauvergne

VISTA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO COM O CORCOVADO, TOMADA DO MAR29 x 39 cmgravuras em aquatinta1835Reproduzido no livro de Gilberto Ferrez "Iconografia de Rio de Janeiro", I. à p. 380.
Lote 42

Barthélemy Lauvergne

LA GRANDE RUE À RIO-JANEIRO29 x 39 cmgravura em aquatinta1835Reproduzido no livro de Gilberto Ferrez "Iconografia de Rio de Janeiro", I. à p. 380.
Lote 43

Thomas Ender

VISTA DO CORCOVADO DA SERRA DOS ÓRGÕES34 x 41 cmgravura em metal, aquarelado1827"Talvez as gravuras de mais esmerado acabamento executadas na Europa a partir de vistas do Brasil" (Pedro Corrêa do Lago). Reproduzido no livro "Brasiliana", Itaú, à p. 184.
Lote 44

Thomas Ender

SELVA SULLA SUMMITA DEL CORCOVADO33 x 27 cmlitografia aquarelada1857Viagem do Atlante, "Eugênio RO DRIGUES". Thomas Ender, in SPIX & MARTIUS, prancha XXIV.
Lote 45

Autor Não Identificado

VEDUTA DELLA PICCOLA CASCATA D/ TIJUCA33 x 27 cmlitografia aquarelada1857Viagem de Bougainville in Eugênio RODRIGUES.
Lote 46

Johann Moritz Rugendas

VUE DE RIO DE JANEIRO PRISE DE L‘ACQUEDUC38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 47

Johann Moritz Rugendas

RUE DROITE À RIO-JANEIRO38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 48

Johann Moritz Rugendas

SAN CHRISTOVÃO38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 49

Johann Moritz Rugendas

SABARÁ38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 50

Johann Moritz Rugendas

MESSE DANS L‘EGLISE DE N. S. DE CANDELARIA A FERNAMBOUC54 x 38 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 51

Johann Moritz Rugendas

MOTOSINHA PRÈS DE SÃO JOÃO DEL REY38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 52

Johann Moritz Rugendas

GROTTES PRÈS DE S. JOZE38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 53

Johann Moritz Rugendas

VILLA RICCA (PEQUENA)38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 54

Johann Moritz Rugendas

VILLA RICCA (GRANDE)38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 56

Johann Moritz Rugendas

CATAS ALTAS38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 57

Johann Moritz Rugendas

EMBOUCHURE DE LA RIVÈRE CAXOERA38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 58

Johann Moritz Rugendas

ALDEIA DOS TAPUYOS38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 59

Johann Moritz Rugendas

RIO PARAYBUNA38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 60

Johann Moritz Rugendas

CAMPOS SUR LES BORDS DU RIO DAS VELHAS38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 62

Johann Moritz Rugendas

DEFRICHEMENT D‘UNE FORÊT38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 63

Johann Moritz Rugendas

CHASSE AUX TIGRES38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 64

Johann Moritz Rugendas

CANOT INDIEN38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 65

Johann Moritz Rugendas

FAMILLE DE PLANTEURS ALLANT À L‘EGLISE38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 66

Johann Moritz Rugendas

CHÂTIMENTS DOMESTIQUES38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 67

Johann Moritz Rugendas

CONVOI DE DIAMANTS PASSANT PAR CAIETE38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 68

Johann Moritz Rugendas

TRANSPORT D‘UM CONVOI DE NÈGRES38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 69

Johann Moritz Rugendas

HABITATIONS DE NÈGRES38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 70

Johann Moritz Rugendas

PUNITIONS PUBLIQUES SUR LA PLACE Ste. ANNE - RIO DE JANEIRO38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 71

Johann Moritz Rugendas

MARCHÉ SUR LA BRAIA DOS MINEIROS38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 72

Johann Moritz Rugendas

MARCHÉ AUX NEGRES38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 73

Johann Moritz Rugendas

NÈGRE & NÉGRESSE DE BAHIA54 x 38 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 74

Johann Moritz Rugendas

NÈGRE & NÉGRESSE DANS UNE PLANTATION54 x 38 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 75

Johann Moritz Rugendas

NEGROS NOVOS54 x 38 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 76

Johann Moritz Rugendas

COSTUMES DE RIO DE JANEIRO54 x 38 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 77

Johann Moritz Rugendas

COSTUMES DE SÃO PAULO54 x 38 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Nascido em Augsburg, perto de Munique em 1802, Rugendas já era um pintor de renome quando foi recrutado pelo Barão Langsdorff para sua famosa missão no Brasil. Percorrendo diversos estados, do norte ao sul do país, ele se estabeleceu um certo tempo no Rio de Janeiro. Em 1825, retornou em Paris, onde seu famoso álbum de litografias, "Viagem Pittoresque no Brasil" foi publicado em 1825, na mesma época que o do Debret. Os dois artistas são considerados os mais talentosos a passar pelo Brasil no século XIX. O álbum de Rugendas ampliou a repercussão da descoberta das novas imagens autênticas do Brasil, apresentando infinitas e grandiosas riquezas paisagísticas como cenas urbanas e rurais de um valor documental inigualável. Os seguintes exemplares, todos da edição original de 1835, encontram-se num estado de conservação e colorido antigo excepcionais. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197.
Lote 78

Johann Moritz Rugendas

CONJUNTO DE 9 PEÇAS DE RETRATOS DE NEGROS E MULATOS38 x 54 cmlitografia aquarelada1835"Voyage Pittoresque au Brésil". Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 754 e "Brasiliana Itaú", à p. 192-197. a) BENGUELA, CONGO. b) CRÉOLES. c) PURI. d) MARCHACARI , CAMACAN . e) CABINDA, QUILOA , REBOLLA, MINA. f) BOTOCUDOS. g) BERIGUELA, ANGOLA,CONGO, MONJOLO. h) MOZAMBIQUE. i) COROA TOS-CORO POS.
Lote 79

Charles Ribeyrolles

ENTRADA DA BARRA45 x 57 cmlitografia aquarelada1861"Brésil Pittoresque. Álbum de vistas, panoramas, paisagens etc., photographiados por Victor FRON D e lithographiados pelos primeiros artistas de Paris." Qualificado como, ?o mais ambicioso e importante álbum iconográfico do Brasil?, por Pedro Corrêa do Lago, o livro de Ribeyrolles tem grande importância não somente entre os livros ilustrados sobre o Brasil do séc. XIX, mas também para história da fotografia no país, pois todas as suas 75 litografias foram baseadas em fotos de Victor FRON D e não mais em desenhos. A extraordinária beleza e precisão das imagens têm atraído para esta obra uma admiração crescente ao longo das últimas décadas. Belíssimos exemplares originais, às vezes em sépia, as vezes realçados de guache e aquarela, extremamente raros como o lembra Rubens Borba de Moraes. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 737 e "Brasiliana Itaú", à p. 228-231.
Lote 80

Charles Ribeyrolles

PANORAMA DO RIO DE JANEIRO ENTRÉE DE LA BAIE45 x 57 cmlitografia aquarelada1861"Brésil Pittoresque. Álbum de vistas, panoramas, paisagens etc., photographiados por Victor FRON D e lithographiados pelos primeiros artistas de Paris." Qualificado como, "o mais ambicioso e importante álbum iconográfico do Brasil", por Pedro Corrêa do Lago, o livro de Ribeyrolles tem grande importância não somente entre os livros ilustrados sobre o Brasil do séc. XIX, mas também para história da fotografia no país, pois todas as suas 75 litografias foram baseadas em fotos de Victor FRON D e não mais em desenhos. A extraordinária beleza e precisão das imagens têm atraído para esta obra uma admiração crescente ao longo das últimas décadas. Belíssimos exemplares originais, às vezes em sépia, as vezes realçados de guache e aquarela, extremamente raros como o lembra Rubens Borba de Moraes. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 737 e "Brasiliana Itaú", à p. 228-231.
Lote 81

Charles Ribeyrolles

PANORAMA DE RIO DE JANEIRO, CASTELO E HOPITAL MILITAIRE45 x 57 cmlitografia aquarelada1861"Brésil Pittoresque. Álbum de vistas, panoramas, paisagens etc., photographiados por Victor FRON D e lithographiados pelos primeiros artistas de Paris." Qualificado como, "o mais ambicioso e importante álbum iconográfico do Brasil", por Pedro Corrêa do Lago, o livro de Ribeyrolles tem grande importância não somente entre os livros ilustrados sobre o Brasil do séc. XIX, mas também para história da fotografia no país, pois todas as suas 75 litografias foram baseadas em fotos de Victor FRON D e não mais em desenhos. A extraordinária beleza e precisão das imagens têm atraído para esta obra uma admiração crescente ao longo das últimas décadas. Belíssimos exemplares originais, às vezes em sépia, as vezes realçados de guache e aquarela, extremamente raros como o lembra Rubens Borba de Moraes. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 737 e "Brasiliana Itaú", à p. 228-231.
Lote 82

Charles Ribeyrolles

PANORAMA DE RIO DE JANEIRO, PORT MARCHAND DE LA SAÚDE45 x 57 cmlitografia aquarelada1861"Brésil Pittoresque. Álbum de vistas, panoramas, paisagens etc., photographiados por Victor FRON D e lithographiados pelos primeiros artistas de Paris." Qualificado como, "o mais ambicioso e importante álbum iconográfico do Brasil", por Pedro Corrêa do Lago, o livro de Ribeyrolles tem grande importância não somente entre os livros ilustrados sobre o Brasil do séc. XIX, mas também para história da fotografia no país, pois todas as suas 75 litografias foram baseadas em fotos de Victor FRON D e não mais em desenhos. A extraordinária beleza e precisão das imagens têm atraído para esta obra uma admiração crescente ao longo das últimas décadas. Belíssimos exemplares originais, às vezes em sépia, as vezes realçados de guache e aquarela, extremamente raros como o lembra Rubens Borba de Moraes. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 737 e "Brasiliana Itaú", à p. 228-231.
Lote 83

Charles Ribeyrolles

PANORAMA DA LAGOA45 x 57 cmlitografia aquarelada1861"Brésil Pittoresque. Álbum de vistas, panoramas, paisagens etc., photographiados por Victor FRON D e lithographiados pelos primeiros artistas de Paris." Qualificado como, "o mais ambicioso e importante álbum iconográfico do Brasil", por Pedro Corrêa do Lago, o livro de Ribeyrolles tem grande importância não somente entre os livros ilustrados sobre o Brasil do séc. XIX, mas também para história da fotografia no país, pois todas as suas 75 litografias foram baseadas em fotos de Victor FRON D e não mais em desenhos. A extraordinária beleza e precisão das imagens têm atraído para esta obra uma admiração crescente ao longo das últimas décadas. Belíssimos exemplares originais, às vezes em sépia, as vezes realçados de guache e aquarela, extremamente raros como o lembra Rubens Borba de Moraes. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 737 e "Brasiliana Itaú", à p. 228-231.
Lote 84

Charles Ribeyrolles

LA PEDREIRA A RIO DE JANEIRO45 x 57 cmlitografia aquarelada1861"Brésil Pittoresque. Álbum de vistas, panoramas, paisagens etc., photographiados por Victor FRON D e lithographiados pelos primeiros artistas de Paris." Qualificado como, "o mais ambicioso e importante álbum iconográfico do Brasil", por Pedro Corrêa do Lago, o livro de Ribeyrolles tem grande importância não somente entre os livros ilustrados sobre o Brasil do séc. XIX, mas também para história da fotografia no país, pois todas as suas 75 litografias foram baseadas em fotos de Victor FRON D e não mais em desenhos. A extraordinária beleza e precisão das imagens têm atraído para esta obra uma admiração crescente ao longo das últimas décadas. Belíssimos exemplares originais, às vezes em sépia, as vezes realçados de guache e aquarela, extremamente raros como o lembra Rubens Borba de Moraes. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 737 e "Brasiliana Itaú", à p. 228-231.
Lote 85

Charles Ribeyrolles

PALAIS IMPERIAL A RIO DE JANEIRO45 x 57 cmlitografia aquarelada1861"Brésil Pittoresque. Álbum de vistas, panoramas, paisagens etc., photographiados por Victor FRON D e lithographiados pelos primeiros artistas de Paris." Qualificado como, "o mais ambicioso e importante álbum iconográfico do Brasil", por Pedro Corrêa do Lago, o livro de Ribeyrolles tem grande importância não somente entre os livros ilustrados sobre o Brasil do séc. XIX, mas também para história da fotografia no país, pois todas as suas 75 litografias foram baseadas em fotos de Victor FRON D e não mais em desenhos. A extraordinária beleza e precisão das imagens têm atraído para esta obra uma admiração crescente ao longo das últimas décadas. Belíssimos exemplares originais, às vezes em sépia, as vezes realçados de guache e aquarela, extremamente raros como o lembra Rubens Borba de Moraes. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 737 e "Brasiliana Itaú", à p. 228-231.
Lote 86

Charles Ribeyrolles

QUINTA IMPÉRIALE DE BOA VISTA, RIO JANEIRO45 x 57 cmlitografia aquarelada1861"Brésil Pittoresque. Álbum de vistas, panoramas, paisagens etc., photographiados por Victor FRON D e lithographiados pelos primeiros artistas de Paris." Qualificado como, "o mais ambicioso e importante álbum iconográfico do Brasil", por Pedro Corrêa do Lago, o livro de Ribeyrolles tem grande importância não somente entre os livros ilustrados sobre o Brasil do séc. XIX, mas também para história da fotografia no país, pois todas as suas 75 litografias foram baseadas em fotos de Victor FRON D e não mais em desenhos. A extraordinária beleza e precisão das imagens têm atraído para esta obra uma admiração crescente ao longo das últimas décadas. Belíssimos exemplares originais, às vezes em sépia, as vezes realçados de guache e aquarela, extremamente raros como o lembra Rubens Borba de Moraes. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 737 e "Brasiliana Itaú", à p. 228-231.
Lote 87

Charles Ribeyrolles

HOPITAL DE LA MISERICORDE A RIO DE JANEIRO45 x 57 cmlitografia aquarelada1861"Brésil Pittoresque. Álbum de vistas, panoramas, paisagens etc., photographiados por Victor FRON D e lithographiados pelos primeiros artistas de Paris." Qualificado como, "o mais ambicioso e importante álbum iconográfico do Brasil", por Pedro Corrêa do Lago, o livro de Ribeyrolles tem grande importância não somente entre os livros ilustrados sobre o Brasil do séc. XIX, mas também para história da fotografia no país, pois todas as suas 75 litografias foram baseadas em fotos de Victor FRON D e não mais em desenhos. A extraordinária beleza e precisão das imagens têm atraído para esta obra uma admiração crescente ao longo das últimas décadas. Belíssimos exemplares originais, às vezes em sépia, as vezes realçados de guache e aquarela, extremamente raros como o lembra Rubens Borba de Moraes. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 737 e "Brasiliana Itaú", à p. 228-231.
Lote 88

Charles Ribeyrolles

HOPITAL DE PEDRO II45 x 57 cmlitografia aquarelada1861"Brésil Pittoresque. Álbum de vistas, panoramas, paisagens etc., photographiados por Victor FRON D e lithographiados pelos primeiros artistas de Paris." Qualificado como, "o mais ambicioso e importante álbum iconográfico do Brasil", por Pedro Corrêa do Lago, o livro de Ribeyrolles tem grande importância não somente entre os livros ilustrados sobre o Brasil do séc. XIX, mas também para história da fotografia no país, pois todas as suas 75 litografias foram baseadas em fotos de Victor FRON D e não mais em desenhos. A extraordinária beleza e precisão das imagens têm atraído para esta obra uma admiração crescente ao longo das últimas décadas. Belíssimos exemplares originais, às vezes em sépia, as vezes realçados de guache e aquarela, extremamente raros como o lembra Rubens Borba de Moraes. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 737 e "Brasiliana Itaú", à p. 228-231.
Lote 89

Charles Ribeyrolles

PANORAMA DOS GOITACAZES45 x 57 cmlitografia aquarelada1861"Brésil Pittoresque. Álbum de vistas, panoramas, paisagens etc., photographiados por Victor FRON D e lithographiados pelos primeiros artistas de Paris." Qualificado como, "o mais ambicioso e importante álbum iconográfico do Brasil", por Pedro Corrêa do Lago, o livro de Ribeyrolles tem grande importância não somente entre os livros ilustrados sobre o Brasil do séc. XIX, mas também para história da fotografia no país, pois todas as suas 75 litografias foram baseadas em fotos de Victor FRON D e não mais em desenhos. A extraordinária beleza e precisão das imagens têm atraído para esta obra uma admiração crescente ao longo das últimas décadas. Belíssimos exemplares originais, às vezes em sépia, as vezes realçados de guache e aquarela, extremamente raros como o lembra Rubens Borba de Moraes. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 737 e "Brasiliana Itaú", à p. 228-231.
Lote 90

Charles Ribeyrolles

PANORAMA DE ST. CHRISTOPHE45 x 57 cmlitografia aquarelada1861"Brésil Pittoresque. Álbum de vistas, panoramas, paisagens etc., photographiados por Victor FRON D e lithographiados pelos primeiros artistas de Paris." Qualificado como, "o mais ambicioso e importante álbum iconográfico do Brasil", por Pedro Corrêa do Lago, o livro de Ribeyrolles tem grande importância não somente entre os livros ilustrados sobre o Brasil do séc. XIX, mas também para história da fotografia no país, pois todas as suas 75 litografias foram baseadas em fotos de Victor FRON D e não mais em desenhos. A extraordinária beleza e precisão das imagens têm atraído para esta obra uma admiração crescente ao longo das últimas décadas. Belíssimos exemplares originais, às vezes em sépia, as vezes realçados de guache e aquarela, extremamente raros como o lembra Rubens Borba de Moraes. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 737 e "Brasiliana Itaú", à p. 228-231.
Lote 91

Charles Ribeyrolles

PANORAMA DE NICTHEROHY ET ST. DOMINGUE45 x 57 cmlitografia aquarelada1861"Brésil Pittoresque. Álbum de vistas, panoramas, paisagens etc., photographiados por Victor FRON D e lithographiados pelos primeiros artistas de Paris." Qualificado como, "o mais ambicioso e importante álbum iconográfico do Brasil", por Pedro Corrêa do Lago, o livro de Ribeyrolles tem grande importância não somente entre os livros ilustrados sobre o Brasil do séc. XIX, mas também para história da fotografia no país, pois todas as suas 75 litografias foram baseadas em fotos de Victor FRON D e não mais em desenhos. A extraordinária beleza e precisão das imagens têm atraído para esta obra uma admiração crescente ao longo das últimas décadas. Belíssimos exemplares originais, às vezes em sépia, as vezes realçados de guache e aquarela, extremamente raros como o lembra Rubens Borba de Moraes. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 737 e "Brasiliana Itaú", à p. 228-231.
Lote 92

Charles Ribeyrolles

PANORAMA DE PETRÓPOLIS45 x 57 cmlitografia aquarelada1861"Brésil Pittoresque. Álbum de vistas, panoramas, paisagens etc., photographiados por Victor FRON D e lithographiados pelos primeiros artistas de Paris." Qualificado como, "o mais ambicioso e importante álbum iconográfico do Brasil", por Pedro Corrêa do Lago, o livro de Ribeyrolles tem grande importância não somente entre os livros ilustrados sobre o Brasil do séc. XIX, mas também para história da fotografia no país, pois todas as suas 75 litografias foram baseadas em fotos de Victor FRON D e não mais em desenhos. A extraordinária beleza e precisão das imagens têm atraído para esta obra uma admiração crescente ao longo das últimas décadas. Belíssimos exemplares originais, às vezes em sépia, as vezes realçados de guache e aquarela, extremamente raros como o lembra Rubens Borba de Moraes. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 737 e "Brasiliana Itaú", à p. 228-231.
Lote 93

Charles Ribeyrolles

PALAIS IMPERIAL DE PETRÓPOLIS45 x 57 cmlitografia aquarelada1861"Brésil Pittoresque. Álbum de vistas, panoramas, paisagens etc., photographiados por Victor FRON D e lithographiados pelos primeiros artistas de Paris." Qualificado como, "o mais ambicioso e importante álbum iconográfico do Brasil", por Pedro Corrêa do Lago, o livro de Ribeyrolles tem grande importância não somente entre os livros ilustrados sobre o Brasil do séc. XIX, mas também para história da fotografia no país, pois todas as suas 75 litografias foram baseadas em fotos de Victor FRON D e não mais em desenhos. A extraordinária beleza e precisão das imagens têm atraído para esta obra uma admiração crescente ao longo das últimas décadas. Belíssimos exemplares originais, às vezes em sépia, as vezes realçados de guache e aquarela, extremamente raros como o lembra Rubens Borba de Moraes. Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 737 e "Brasiliana Itaú", à p. 228-231.
Lote 94

Charles Ribeyrolles

CONJUNTO DE 10 PEÇAS, SÉRIE DA BAHIA (EM SÉPIA)48 x 57 cmlitografia aquarelada1861Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 737 e "Brasiliana Itaú", à p. 228-231. a) VUE DE BA HIA b) PROMENA DE PUBLIQUE À BAHIA. c) A BARRA , ÉGLISE STº. ANTÔNIO d) LE PHARE À BA HIA e) MAISON PARTICULIÈRE À BA HIA. f) PIEDADE À BAHIA g) ANCIEN COLLÈGE DES JÉSUITES À BAHIA h) GRAND THÉÂTRE À BAHIA i) EGLISE DE BOMFIM A BAHIA j) LE TEMPLE PROTESTANT A BAHIA.
Lote 95

Charles Ribeyrolles

CONJUNTO DE RETRATOS IMPERIAIS48 x 57 cmlitografia aquarelada1861Reproduzido nos livros "Borba de Moraes, II", à p. 737 e "Brasiliana Itaú", à p. 228-231. a) DOM PEDRO II b) IMPERATRIZ THEREZA CHRISTINA c) PRINCESA ISABEL CHRISTINA d) PRINCESA LEOPOLDINA THEREZA
Lote 97

Ciceri, Eugéne E Benoist, Philippe

RIO DE JANEIRO TOMADO DA ILHA DAS COBRAS44 x 67 cmlitografia em cor com guache, sem margem1852Definidos por Pedro Corrêa do Lago como "As maiores gravuras do Rio de Janeiro, realizadas na França, na transição da pintura para fotografia". Publicadas em Paris pela casa Lemercier a partir de 1852, elas foram realizadas a partir de "daguerrotipos" (ancestrais de fotografias), tirados no Rio de Janeiro. A distribuição destas litografias no Brasil esteve a cargo da família casa Leuzinger do Rio de Janeiro. São 3 exemplares dessas valiosas e raras imagens, justamente famosas por suas dimensões, precisão, e beleza do seu colorido realizado na época. Abrange todo o litoral da cidade, desde o Pão de Açúcar até o São Bento e capelinha da Ilha das Cobras. Reproduzido nos livros "Iconografia do Rio de Janeiro" de Gilberto Ferrez, I, à p. 511, e "Brasiliana Itaú", à pp. 84-85.
Lote 98

Ciceri, Eugéne E Benoist, Philippe

RIO DE JANEIRO - A PRAINHA DA SAÚDE58 x 83 cmlitografia em cor1852Definidos por Pedro Corrêa do Lago como "As maiores gravuras do Rio de Janeiro, realizadas na França, na transição da pintura para fotografia". Publicadas em Paris pela casa Lemercier a partir de 1852, elas foram realizadas a partir de "daguerrotipos" (ancestrais de fotografias), tirados no Rio de Janeiro. A distribuição destas litografias no Brasil esteve a cargo da família casa Leuzinger do Rio de Janeiro. São 3 exemplares dessas valiosas e raras imagens, justamente famosas por suas dimensões, precisão, e beleza do seu colorido realizado na época. O primeiro plano, desenhado por Joseph Alfred MARTINET, segundo nota de Leuzinger. Vista da Saúde, vendo-se o porto, trapiches, morros de São Bento, Conceição e Livramento. Reproduzido nos livros "Iconografia do Rio de Janeiro" de Gilberto Ferrez, I, à p. 511, e "Brasiliana Itaú", à pp. 84-85.
Lote 100

Adriaen Van Ostade

A DANÇA NO ALBERGO28 x 34 cmgravura em metalReproduzido no Catalogue raisonné, prancha XLIII,"A obra gravada de Adrien von Ostade", prof. Dr. Taro SPRINGER, Berlin, 1920. Tiragem posterior a primeira tiragem.
Lote 108

Albrecht Dürer

MELENCOLIA (A MELANCOLIA)m.e. 35 x 24 cm m.i. 25,5 x 19,5 cmgravura em metalUm dos "Meisterstich" (Obra Mestre) do DÜRER. Tiragem posterior a primeira tiragem.
Lote 109

Antoon Van Dick

RETRATO DE GENTIL-HOMEM - I24 x 32 cmgravura em cobreTiragem posterior a primeira tiragem.
Lote 115

L. Turgis Jeune

RARA VISTA DE NOVA YORK55 x 43 cmgravura em cobre1840(New York et ses environs - New York and its environs)
Lote 116

Salvador Dali

Sem Título66 x 46 cmgravura em ponta-seca sobre pergaminhoass. inf. dir.1973A importância dessa obra consta no fato dela fazer parte de um belíssimo e luxuoso álbum que reuniu três nomes muito famosos do mundo artístico e cultural francês do séc. XX. - André MALRAU X, escritor, braço direito e ministro das Belas Artes na época do Général de Gaulle e autor do livro do qual essa obra faz parte: "Roi, je t‘attends à Babylone" (Biografia romançada de Alexandre o Grande). - Albert SKIRA Um dos maiores editores do séc. XX, amigo íntimo de Picasso, assim como dos maiores artistas da primeira metade do século XX. - E o próprio Salvador DALI, do qual foi uma das primeiras obras gravadas. Título do livro: "Roi, Je t?attends à Babylone". Exemplar N° 143 / 150
Lote 120

Theodore De Bry

REGIÃO DE SÃO VICENTE COM O FORTE DE BERTIOGA30 x 22 cmgravura em metal1592O flamengo Theodore De Bry (1528-1598) iniciou em 1590 a publicação da ambiciosa coleção popularmente conhecida como "As grandes viagens", dedicada a colecionar narrativas de viajantes, compondo ao todo, treze volumes, lançados entre 1590 e 1634. A terceira parte, a Americae tertia pars, editada em 1592, é baseada nos relatos do alemão Hans Staden e do francês Jean de Léry a respeito de suas experiências no Brasil e com os habitantes dessas terras, os Tupinambás. A coleção exerceu um fascínio tão grande que ajudou a impulsionar a colonização das novas terras e se tornou um verdadeiro best seller. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 98-99.
Lote 121

Theodore De Bry

REGIÃO DE SÃO VICENTE COM A ILHA DE SÃO VICENTE E SANTO AMARO, OFORTE DE BERTIOGA E A LOCALIDADE DE ITANHAEM30 x 22 cmgravura em metal1592O flamengo Theodore De Bry (1528-1598) iniciou em 1590 a publicação da ambiciosa coleção popularmente conhecida como "As grandes viagens", dedicada a colecionar narrativas de viajantes, compondo ao todo, treze volumes, lançados entre 1590 e 1634. A terceira parte, a Americae tertia pars, editada em 1592, é baseada nos relatos do alemão Hans Staden e do francês Jean de Léry a respeito de suas experiências no Brasil e com os habitantes dessas terras, os Tupinambás. A coleção exerceu um fascínio tão grande que ajudou a impulsionar a colonização das novas terras e se tornou um verdadeiro best seller. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 98-99.
Lote 122

Theodore De Bry

CIDADE DE SALVADOR COM A ILHA DE ITAMARACA30 x 22 cmgravura em metal1592O flamengo Theodore De Bry (1528-1598) iniciou em 1590 a publicação da ambiciosa coleção popularmente conhecida como "As grandes viagens", dedicada a colecionar narrativas de viajantes, compondo ao todo, treze volumes, lançados entre 1590 e 1634. A terceira parte, a Americae tertia pars, editada em 1592, é baseada nos relatos do alemão Hans Staden e do francês Jean de Léry a respeito de suas experiências no Brasil e com os habitantes dessas terras, os Tupinambás. A coleção exerceu um fascínio tão grande que ajudou a impulsionar a colonização das novas terras e se tornou um verdadeiro best seller. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 98-99.
Lote 123

Theodore De Bry

CAP HORN30 x 22 cmgravura em metal1592O flamengo Theodore De Bry (1528-1598) iniciou em 1590 a publicação da ambiciosa coleção popularmente conhecida como "As grandes viagens", dedicada a colecionar narrativas de viajantes, compondo ao todo, treze volumes, lançados entre 1590 e 1634. A terceira parte, a Americae tertia pars, editada em 1592, é baseada nos relatos do alemão Hans Staden e do francês Jean de Léry a respeito de suas experiências no Brasil e com os habitantes dessas terras, os Tupinambás. A coleção exerceu um fascínio tão grande que ajudou a impulsionar a colonização das novas terras e se tornou um verdadeiro best seller. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 98-99.
Lote 124

Theodore De Bry

VAL PARAISO30 x 22 cmgravura em metal1592O flamengo Theodore De Bry (1528-1598) iniciou em 1590 a publicação da ambiciosa coleção popularmente conhecida como "As grandes viagens", dedicada a colecionar narrativas de viajantes, compondo ao todo, treze volumes, lançados entre 1590 e 1634. A terceira parte, a Americae tertia pars, editada em 1592, é baseada nos relatos do alemão Hans Staden e do francês Jean de Léry a respeito de suas experiências no Brasil e com os habitantes dessas terras, os Tupinambás. A coleção exerceu um fascínio tão grande que ajudou a impulsionar a colonização das novas terras e se tornou um verdadeiro best seller. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 98-99.
Lote 125

Joris Van Spilbergen

SÃO VICENTE E SEUS ARREDORES16,5 x 23,5 cmgravura em cobre1621Rara gravura em cobre fazendo parte da viagem de SPILBERGEN de volta ao mundo nos anos 1614-1618 (segundo holandês a fazer a volta ao mundo depois de van NORTT). Reproduzido nos livros "Biblioteca Brasiliana" de Robert BOSCH, à p. 87 e Borba de Moares II, à p. 827.
Lote 126

John Ogylby

MAPA DUPLO DE RECIFE & OLINDA30 x 21 cmgravura em metal1671
Lote 127

Izaak Commelyn

VILA DE OLINDA DE PERNAMBUCO30 x 38 cmgravura em metal1656Izaak COMMELYN, vistas tiradas da História da vida e dos atos memoráveis de F. H. de NASSAU, Príncipe de ORANGE. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 688 e Borba de Moraes, I, à p. 195.
Lote 128

Izaak Commelyn

CABO DE SANTO AGOSTINHO30 x 38 cmgravura em metal1656Izaak COMMELYN, vistas tiradas da História da vida e dos atos memoráveis de F. H. de NASSAU, Príncipe de ORANGE. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 688 e Borba de Moraes, I, à p. 195.
Lote 129

Izaak Commelyn

FORTES DE PARAÍBA30 x 38 cmgravura em metal1656Izaak COMMELYN, vistas tiradas da História da vida e dos atos memoráveis de F. H. de NASSAU, Príncipe de ORANGE. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 688 e Borba de Moraes, I, à p. 195.
Lote 130

Izaak Commelyn

CONJUNTO DE 15 VISTAS DE DIVERSOS FORTES E CIDADES DO NORDESTE NAÉPOCA DA OCUPAÇÃO HOLANDESA42 x 47 cmgravura em metalCONJUNTO DE 15 VISTAS DE DIVERSOS FORTES E CIDADES DO NORDESTE NA ÉPOCA DA OCUPAÇÃO HOLANDESA. OBRAS EFETUADAS A PARTIR DOS DESENHOS DO FRANS POST E CONSTANDO NO FAMOSO ÁLBUM DO ARNOLD MONTANUS, "AMERICA" AMSTERDAM, AOS CUIDADOS DE JACOB VAN MEURS, 1671. Reproduzido no livro de Borba de Moraes, à p.586. a) SINUS OMNIUM SANTORUM b) OLINDA DE PERNAMBUCO c) I. TAMARACA d) URBIS SALVA DOR e) OSTIUM FLUMINES PARAYBEf) FLUVIUS GRANDIS g) A LAGOA AD AUS TRUM h) OBSIDIO ET EXPUGNATIO PORTUS CALVI i) SERINHAIM j) CAS TRUM MAURI TII AD RIPAM FLUMINIS S. FRANCISCI k) SIARA l) ARX PRINCIPIS GUILJELMI m) ARX NASSOVI n) BOA VISTA o) POTOSI (PERU)
Lote 131

Almirante Anson

MARINHA DUPLA: TERRA DE FOGO & STAATEN ILAND25 x 41 cmgravura em metal, aquarelado1740/1741Reproduzido no livro de Gilberto Gerlach, "Desterro, Iha de Santa Catarina", à p 52-55
Lote 132

Almirante Anson

MARINHA DUPLA: ESTREITO DE MAGALHÃES & TERRA DE FOGO25 x 41 cmgravura em metal, aquarelado1740/1741Reproduzido no livro de Gilberto Gerlach, "Desterro, Iha de Santa Catarina", à p 52-55
Lote 133

Almirante Anson

MARINHA DUPLA: ENTRADA DO PORTO DE ACAPULCO & CHEQUETAH25 x 41 cmgravura em metal, aquarelado1740/1741Reproduzido no livro de Gilberto Gerlach, "Desterro, Iha de Santa Catarina", à p 52-55
Lote 134

Philippe J. Benoit

PAISAGEM DO NORTE24 x 33 cmlitografia aquarelada1839(também conhecido como "O pequeno DEBRET"). Importante viajante francês, Benoit descreveu as regiões do então "Surinam" que ficam na fronteira do norte do Brasil e que hoje fazem parte do território brasileiro. Nas suas cenas com personagens ele lembra muito, sem ser seu plagiário. J-B DEBRET daí seu apelido. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 282.
Lote 135

Philippe J. Benoit

CENA DO COTIDIANO DA POPULAÇÃO NEGRA I24 x 33 cmlitografia aquarelada1839(também conhecido como "O pequeno DEBRET"). Importante viajante francês, Benoit descreveu as regiões do então "Surinam" que ficam na fronteira do norte do Brasil e que hoje fazem parte do território brasileiro. Nas suas cenas com personagens ele lembra muito, sem ser seu plagiário. J-B DEBRET daí seu apelido. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 282.
Lote 136

Philippe J. Benoit

CENA DO COTIDIANO DA POPULAÇÃO NEGRA II24 x 33 cmlitografia aquarelada1839(também conhecido como "O pequeno DEBRET"). Importante viajante francês, Benoit descreveu as regiões do então "Surinam" que ficam na fronteira do norte do Brasil e que hoje fazem parte do território brasileiro. Nas suas cenas com personagens ele lembra muito, sem ser seu plagiário. J-B DEBRET daí seu apelido. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 282.
Lote 137

Philippe J. Benoit

IMAGENS DE INDÍGENAS, OBJETOS DE USO E ADEREÇOS I24 x 33 cmlitografia aquarelada1839(também conhecido como "O pequeno DEBRET"). Importante viajante francês, Benoit descreveu as regiões do então "Surinam" que ficam na fronteira do norte do Brasil e que hoje fazem parte do território brasileiro. Nas suas cenas com personagens ele lembra muito, sem ser seu plagiário. J-B DEBRET daí seu apelido. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 282.
Lote 138

Philippe J. Benoit

IMAGENS DE INDÍGENAS, OBJETOS DE USO E ADEREÇOS II33 x 24 cmlitografia aquarelada1839(também conhecido como "O pequeno DEBRET"). Importante viajante francês, Benoit descreveu as regiões do então "Surinam" que ficam na fronteira do norte do Brasil e que hoje fazem parte do território brasileiro. Nas suas cenas com personagens ele lembra muito, sem ser seu plagiário. J-B DEBRET daí seu apelido. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 282.
Lote 139

Philippe J. Benoit

IMAGENS DE INDÍGENAS, OBJETOS DE USO E ADEREÇOS III33 x 24 cmlitografia aquarelada1839(também conhecido como "O pequeno DEBRET"). Importante viajante francês, Benoit descreveu as regiões do então "Surinam" que ficam na fronteira do norte do Brasil e que hoje fazem parte do território brasileiro. Nas suas cenas com personagens ele lembra muito, sem ser seu plagiário. J-B DEBRET daí seu apelido. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 282.
Lote 140

M. Van Leckhorst

CASA DE SAPÉ COM FAMÍLIA DE INDÍGENAS34 x 50 cmlitografia aquarelada1850Paisagens Tropicais
Lote 141

M. Van Leckhorst

CASA DE SAPÉ, NO MEIO DA PAISAGEM TROPICAL34 x 50 cmlitografia aquarelada1850Paisagens Tropicais.
Lote 142

Carl Friederich Von Martius & Johann Baptist Von Spix

O PORTO DAS MIRANHAS NO RIO JAPURÁ48 x 67 cmlitografia aquarelada1823Obras tiradas do famoso "Spix & Martius". O botânico alemão Carl von Martius, o zoólogo J. B. von Spix, são considerados uns dos maiores cientistas a explorar o Brasil no século XIX. Eles foram enviados em 1815 para uma viagem à America do Sul por ordem do Reio da Bavieira. O álbum com tamanho monumental, foi um dos primeiros a revelar a natureza, os índios brasileiros, a paisagem, a fauna e a flora de nosso país. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 178-181 e Borba de Moraes, II, à p. 830.
Lote 143

Carl Friederich Von Martius & Johann Baptist Von Spix

HOSPÍCIO DA MÃE DOS HOMENS. (MINAS GERAIS)48 x 67 cmlitografia aquarelada1823Obras tiradas do famoso "Spix & Martius". O botânico alemão Carl von Martius, o zoólogo J. B. von Spix, são considerados uns dos maiores cientistas a explorar o Brasil no século XIX. Eles foram enviados em 1815 para uma viagem à America do Sul por ordem do Reio da Bavieira. O álbum com tamanho monumental, foi um dos primeiros a revelar a natureza, os índios brasileiros, a paisagem, a fauna e a flora de nosso país. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 178-181 e Borba de Moraes, II, à p. 830.
Lote 144

Carl Friederich Von Martius & Johann Baptist Von Spix

CENAS DO COTIDIANO EM VÁRIAS REGIÕES DO BRASIL48 x 67 cmlitografia aquarelada1823Obras tiradas do famoso "Spix & Martius". O botânico alemão Carl von Martius, o zoólogo J. B. von Spix, são considerados uns dos maiores cientistas a explorar o Brasil no século XIX. Eles foram enviados em 1815 para uma viagem à America do Sul por ordem do Reio da Bavieira. O álbum com tamanho monumental, foi um dos primeiros a revelar a natureza, os índios brasileiros, a paisagem, a fauna e a flora de nosso país. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 178-181 e Borba de Moraes, II, à p. 830.
Lote 145

Carl Friederich Von Martius & Johann Baptist Von Spix

PAISAGENS DO NORTE DO BRASIL, SENDO UM CONJUNTO DE 4 PAISAGENS E UMPANORAMA48 x 67 cmlitografia aquarelada1823Obras tiradas do famoso "Spix & Martius". O botânico alemão Carl von Martius, o zoólogo J. B. von Spix, são considerados uns dos maiores cientistas a explorar o Brasil no século XIX. Eles foram enviados em 1815 para uma viagem à America do Sul por ordem do Reio da Bavieira. O álbum com tamanho monumental, foi um dos primeiros a revelar a natureza, os índios brasileiros, a paisagem, a fauna e a flora de nosso país. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 178-181 e Borba de Moraes, II, à p. 830.
Lote 146

Carl Friederich Von Martius & Johann Baptist Von Spix

RANCHO NA REGIÃO DA SERRA DO CORAÇA48 x 67 cmlitografia aquarelada1823Obras tiradas do famoso "Spix & Martius". O botânico alemão Carl von Martius, o zoólogo J. B. von Spix, são considerados uns dos maiores cientistas a explorar o Brasil no século XIX. Eles foram enviados em 1815 para uma viagem à America do Sul por ordem do Reio da Bavieira. O álbum com tamanho monumental, foi um dos primeiros a revelar a natureza, os índios brasileiros, a paisagem, a fauna e a flora de nosso país. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 178-181 e Borba de Moraes, II, à p. 830.
Lote 147

Carl Friederich Von Martius & Johann Baptist Von Spix

MANDIOCA48 x 67 cmlitografia aquarelada1823Obras tiradas do famoso "Spix & Martius". O botânico alemão Carl von Martius, o zoólogo J. B. von Spix, são considerados uns dos maiores cientistas a explorar o Brasil no século XIX. Eles foram enviados em 1815 para uma viagem à America do Sul por ordem do Reio da Bavieira. O álbum com tamanho monumental, foi um dos primeiros a revelar a natureza, os índios brasileiros, a paisagem, a fauna e a flora de nosso país. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 178-181 e Borba de Moraes, II, à p. 830.
Lote 148

Carl Friederich Von Martius & Johann Baptist Von Spix

ALDEIA DOS ÍNDIOS COROADOS48 x 67 cmlitografia aquarelada1823Obras tiradas do famoso "Spix & Martius". O botânico alemão Carl von Martius, o zoólogo J. B. von Spix, são considerados uns dos maiores cientistas a explorar o Brasil no século XIX. Eles foram enviados em 1815 para uma viagem à America do Sul por ordem do Reio da Bavieira. O álbum com tamanho monumental, foi um dos primeiros a revelar a natureza, os índios brasileiros, a paisagem, a fauna e a flora de nosso país. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 178-181 e Borba de Moraes, II, à p. 830.
Lote 149

Maximilian Von Wied-neuwied

VISTA DA VILA E DO PORTO DE ILHEUS35 x 50 cmgravura em metal, aquarelado1820"REISE NAC H BRASILIEN IN DEN JAHREN 1815 BIS 1817, VON MAXIMILIAN, PRINZ ZU WIEDNEUWIED". Como ressalta Pedro Corrêa do Lago, o álbum do Príncipe Maximilian von WIED-NEUWIED, constitui o primeiro álbum ilustrado que revelou nossos indígenas à Europa. A expedição no Brasil do Príncipe e de naturalistas que eram também hábeis desenhistas, não apenas registrou paisagens, fauna e a flora como fixou também no papel tipos étnicos, índios, utensílios e ornatos. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 168-169 e Borba de Moraes, II, à p. 544.
Lote 150

Maximilian Von Wied-neuwied

A ILHA CACHOERINHA NO RIO GRANDE BELMONTE39 x 45 cmgravura em metal, aquarelado1820"REISE NAC H BRASILIEN IN DEN JAHREN 1815 BIS 1817, VON MAXIMILIAN, PRINZ ZU WIEDNEUWIED". Como ressalta Pedro Corrêa do Lago, o álbum do Príncipe Maximilian von WIED-NEUWIED, constitui o primeiro álbum ilustrado que revelou nossos indígenas à Europa. A expedição no Brasil do Príncipe e de naturalistas que eram também hábeis desenhistas, não apenas registrou paisagens, fauna e a flora como fixou também no papel tipos étnicos, índios, utensílios e ornatos. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 168-169 e Borba de Moraes, II, à p. 544.
Lote 151

Maximilian Von Wied-neuwied

VILA DE PORTO SEGURO NO RIO BURANHEM34 x 42 cmgravura em metal, aquarelado1820"REISE NAC H BRASILIEN IN DEN JAHREN 1815 BIS 1817, VON MAXIMILIAN, PRINZ ZU WIEDNEUWIED". Como ressalta Pedro Corrêa do Lago, o álbum do Príncipe Maximilian von WIED-NEUWIED, constitui o primeiro álbum ilustrado que revelou nossos indígenas à Europa. A expedição no Brasil do Príncipe e de naturalistas que eram também hábeis desenhistas, não apenas registrou paisagens, fauna e a flora como fixou também no papel tipos étnicos, índios, utensílios e ornatos. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 168-169 e Borba de Moraes, II, à p. 544.
Lote 152

Maximilian Von Wied-neuwied

EXPEDIÇÃO FLUVIAL NUM BRAÇO DO RIO DOCE39 x 49 cmgravura em metal, aquarelado1820"REISE NAC H BRASILIEN IN DEN JAHREN 1815 BIS 1817, VON MAXIMILIAN, PRINZ ZU WIEDNEUWIED". Como ressalta Pedro Corrêa do Lago, o álbum do Príncipe Maximilian von WIED-NEUWIED, constitui o primeiro álbum ilustrado que revelou nossos indígenas à Europa. A expedição no Brasil do Príncipe e de naturalistas que eram também hábeis desenhistas, não apenas registrou paisagens, fauna e a flora como fixou também no papel tipos étnicos, índios, utensílios e ornatos. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 168-169 e Borba de Moraes, II, à p. 544.
Lote 153

Maximilian Von Wied-neuwied

VISTA DA MISSÃO DE SÃO FIDELIS39 x 50 cmgravura em metal, aquarelado1820"REISE NAC H BRASILIEN IN DEN JAHREN 1815 BIS 1817, VON MAXIMILIAN, PRINZ ZU WIEDNEUWIED". Como ressalta Pedro Corrêa do Lago, o álbum do Príncipe Maximilian von WIED-NEUWIED, constitui o primeiro álbum ilustrado que revelou nossos indígenas à Europa. A expedição no Brasil do Príncipe e de naturalistas que eram também hábeis desenhistas, não apenas registrou paisagens, fauna e a flora como fixou também no papel tipos étnicos, índios, utensílios e ornatos. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 168-169 e Borba de Moraes, II, à p. 544.
Lote 154

Maximilian Von Wied-neuwied

VISTA DAS ROCHAS DE JUCUTUCOARA39 x 49 cmgravura em metal, aquarelado1820VISTA DAS ROCHAS DE JUCUTUCOARA NO RIO ESPIRITO SANTO PERTO DA VILLA DE VITÓRIA. "REISE NAC H BRASILIEN IN DEN JAHREN 1815 BIS 1817, VON MAXIMILIAN, PRINZ ZU WIEDNEUWIED". Como ressalta Pedro Corrêa do Lago, o álbum do Príncipe Maximilian von WIED-NEUWIED, constitui o primeiro álbum ilustrado que revelou nossos indígenas à Europa. A expedição no Brasil do Príncipe e de naturalistas que eram também hábeis desenhistas, não apenas registrou paisagens, fauna e a flora como fixou também no papel tipos étnicos, índios, utensílios e ornatos. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 168-169 e Borba de Moraes, II, à p. 544.
Lote 155

Maximilian Von Wied-neuwied

VISTA E CAPELA DA ENTRADA DO RIO STª CRUZ39 x 50 cmgravura em metal, aquarelado1820"REISE NAC H BRASILIEN IN DEN JAHREN 1815 BIS 1817, VON MAXIMILIAN, PRINZ ZU WIEDNEUWIED". Como ressalta Pedro Corrêa do Lago, o álbum do Príncipe Maximilian von WIED-NEUWIED, constitui o primeiro álbum ilustrado que revelou nossos indígenas à Europa. A expedição no Brasil do Príncipe e de naturalistas que eram também hábeis desenhistas, não apenas registrou paisagens, fauna e a flora como fixou também no papel tipos étnicos, índios, utensílios e ornatos. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 168-169 e Borba de Moraes, II, à p. 544.
Lote 156

Maximilian Von Wied-neuwied

ARCO E ORNATOS DOS CAMACANS39 x 52 cmgravura em metal, aquarelado1820"REISE NAC H BRASILIEN IN DEN JAHREN 1815 BIS 1817, VON MAXIMILIAN, PRINZ ZU WIEDNEUWIED". Como ressalta Pedro Corrêa do Lago, o álbum do Príncipe Maximilian von WIED-NEUWIED, constitui o primeiro álbum ilustrado que revelou nossos indígenas à Europa. A expedição no Brasil do Príncipe e de naturalistas que eram também hábeis desenhistas, não apenas registrou paisagens, fauna e a flora como fixou também no papel tipos étnicos, índios, utensílios e ornatos. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 168-169 e Borba de Moraes, II, à p. 544.
Lote 157

Maximilian Von Wied-neuwied

FAMÍLIA DE BOTOCUDOS EM VIAGEM39 x 52 cmgravura em metal, aquarelado1820"REISE NAC H BRASILIEN IN DEN JAHREN 1815 BIS 1817, VON MAXIMILIAN, PRINZ ZU WIEDNEUWIED". Como ressalta Pedro Corrêa do Lago, o álbum do Príncipe Maximilian von WIED-NEUWIED, constitui o primeiro álbum ilustrado que revelou nossos indígenas à Europa. A expedição no Brasil do Príncipe e de naturalistas que eram também hábeis desenhistas, não apenas registrou paisagens, fauna e a flora como fixou também no papel tipos étnicos, índios, utensílios e ornatos. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 168-169 e Borba de Moraes, II, à p. 544.
Lote 158

Maximilian Von Wied-neuwied

QUATRO RETRATOS DE CABEÇAS DE BOTOCUDOS E DE UMA MÚMIA39 x 52 cmgravura em metal, aquarelado1820"REISE NAC H BRASILIEN IN DEN JAHREN 1815 BIS 1817, VON MAXIMILIAN, PRINZ ZU WIEDNEUWIED". Como ressalta Pedro Corrêa do Lago, o álbum do Príncipe Maximilian von WIED-NEUWIED, constitui o primeiro álbum ilustrado que revelou nossos indígenas à Europa. A expedição no Brasil do Príncipe e de naturalistas que eram também hábeis desenhistas, não apenas registrou paisagens, fauna e a flora como fixou também no papel tipos étnicos, índios, utensílios e ornatos. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 168-169 e Borba de Moraes, II, à p. 544.
Lote 159

Maximilian Von Wied-neuwied

CONJUNTO DE 5 CENAS NA FLORESTA39 x 52 cmgravura em metal, aquarelado1820"REISE NAC H BRASILIEN IN DEN JAHREN 1815 BIS 1817, VON MAXIMILIAN, PRINZ ZU WIEDNEUWIED". Como ressalta Pedro Corrêa do Lago, o álbum do Príncipe Maximilian von WIED-NEUWIED, constitui o primeiro álbum ilustrado que revelou nossos indígenas à Europa. A expedição no Brasil do Príncipe e de naturalistas que eram também hábeis desenhistas, não apenas registrou paisagens, fauna e a flora como fixou também no papel tipos étnicos, índios, utensílios e ornatos. Reproduzido nos livros "Brasiliana Itaú", à p. 168-169 e Borba de Moraes, II, à p. 544.
Lote 160

Charles Bentley

VILA DO CARIBE ANAI37 x 50 cmlitografia aquarelada1841Tiradas da obra "Doze vistas do Interior da Guyana" de SCHOMBURG Robert H. Reproduzido no livro "Brasiliana Itau", à p.280.
Lote 161

Charles Bentley

CATARATAS DE NATAL37 x 50 cmlitografia aquarelada1841Tiradas da obra "Doze vistas do Interior da Guyana" de SCHOMBURG Robert H. Reproduzido no livro "Brasiliana Itau", à p.280.
Lote 162

Arnold Montanus

ANCIEN MEXICO21 x 30 cmgravura em cobre, aquarelada1671Obras tiradas do álbum do Arnold MONTANUS, "America". Reproduzido no livro de Borba de Moraes, à p.586.
Lote 163

Arnold Montanus

NOUVEAU MEXICO21 x 30 cmgravura em cobre, aquarelada1671Obras tiradas do álbum do Arnold MONTANUS, "America". Reproduzido no livro de Borba de Moraes, à p.586.
Lote 164

A. D‘orbigny

PANORAMA DE CALI, PARTE DE LIMA, PERU25 x 110 cmlitografia aquarelada1830E. LASSALE, litógrafo.
Lote 165

Luis Andreas Reuscher

IMPORTANTE PANORAMA DE LIMA51 x 101 cmlitografia, guache e aquarela1840
Lote 166

B. Lauvergne

VISTA DE MONTEVIDEO30 x 39 cmlitografia em cor1840
Lote 167

B. Lauvergne

A CORVETTE LA BONITE NO CABO HORN32 x 49cmgravura em metal, aquarelado1835
Lote 168

M. Tirpenne

MONTEVIDEO , VISTA TOMADA DO PORTO41 x 55 cmlitografia em cor1859M. TIRPENNE a partir da obra de H. BERTHET.
Lote 169

Alfred Demersay, F. Borrieau

LES MISSIONS DU PARAGUAY36,5 x 50,5 cmlitografia aquarelada1840
Lote 170

Wilhelm E Johan Blaeu

TEATRO DO MUNDO (OU NOVO ATLAS)47 x 32 cmgravura em metal, aquarelado1642
Lote 171

Hubert Jaillot

ATLAS NOUVEAU CONTENANT TOUTES LES PARTIES DU MONDE50 x 37 cmgravura em metal, aquareladoDedicado à Monseigneur le Dauphin, filho do Rei Luis XIV. Hubert JAILLOT, (1632 - 1712), Geógrafo do Rei.
Lote 172

Robert De Vaugondy

ATLAS UNIVERSEL49 x 35 cmgravura em metal, aquarelado1757Dedicado ao Rei da Polônia (sogro do Rei Luis XV). Robert de VAUGONDY, Géografo ordinário do Rei (luis XV).
Lote 173

Johann Baptist Homann

ATLAS HOMANNIANUS, MATHEMATICO52 x 30 cmgravura em metal, aquarelado1762Historice delineatus. Dedicado ao Imperador do Sto. Império Germânico.
Lote 174

Guillaume De L‘isle E Philippe Buache

ATLAS GÉOGRAPHIQUE ET UNIVERSEL48 x 38 cmgravura em metal, aquarelado1789Primeiros Geógrafos da Academia das Scienças.
Lote 175

Giacomo Gastaldi

BRASIL NUOVA TAVOLA22 x 32 mgravura em cobre1562Tiradas do seu famoso Atlas "Georafia di Ptolomeu". Um dos primeiros mapas do Brasil, cinqüenta anos depois da descoberta do Cabral. Representação relativamente acurada do Brasil e da America do Sul constando num atlas que constitui um relatório atualizado das viagens principais e mais recentes de descobrimentos e explorações inspirado por Ptolemeu no seu livro "Geografia". Raro! Reproduzido no livro "O tesouro dos Mapas - A cartografia na formação do Brasil", à p. 237.
Lote 176

Giacomo Gastaldi

TIERRA NOVA22 x 32 mgravura em cobre1562Tiradas do seu famoso Atlas "Georafia di Ptolomeu". Um dos primeiros mapas do Brasil, cinqüenta anos depois da descoberta do Cabral. Representação relativamente acurada do Brasil e da America do Sul constando num atlas que constitui um relatório atualizado das viagens principais e mais recentes de descobrimentos e explorações inspirado por Ptolemeu no seu livro "Geografia". Raro! Reproduzido no livro "O tesouro dos Mapas - A cartografia na formação do Brasil", à p. 237.
Lote 177

Johann Janssonius

ACCURATÍSSIMA BRASILIA TABULA48 x 58 cmgravura em metal, aquareladoséc. XVIIMapa do Brasil, com duplo "cartouche" com as cidades de Salvador e de Olinda, Pernambuco assim como com cenas antoprofagicas.
Lote 178

Guilherme Blaeu

GUIANA FINE AMAZONUM REGIO46 x 58 cmgravura em metal, aquareladoMapa da região Amazônica e do norte do Brasil.
Lote 179

Georg Markgraf

PRAEFECTURA DE CIRII VEL SEREGIPE DEL REI COM ITAPUAMA54 x 67 cmgravura em metal, aquarelado1665Georg MARKGRAF, aos cuidados de J. COVENS & MORTIER.
Lote 180

Henricus Hondius

MAPA DA CIDADE DE SALVADOR E DA BAHIA DE TODOS OS SANTOS, NA ÉPOCADA OCUPAÇÃO HOLANDESA38 x 53 cmgravura em metal, aquarelado1625Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 688.
Lote 181

Henricus Hondius

MAPA DA CIDADE DE SÃO LUIZ DE MARANHÃO38 x 53 cmgravura em metal, aquarelado1625Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 688.
Lote 182

Nicolas Samson D‘abbeville

LE PARAGUAY, PARTIE DU BRESIL, LE CHILI, LA TERRE, ET LES ISLES, MAGELLANIQUES42 x 58 cmgravura em metal, aquarelado1656Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 685.
Lote 183

Joannes Van Keulen

PASCAARTE VAN DE ZEE CUSTEN VAN GUINEA EM BRASILIA55 x 63 cmgravura em metal, aquarelado1700Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 689
Lote 184

Johann Van Keulen

FRONTISPÍCIO DO ATLAS DE JOHANN VAN KEULEN DOS QUAIS PROVEM OS 5ITENS SUBSEQUENTESgravura em metal, aquarelado1709Obs. Esse frontispício faz parte da série em baixo descrita, a não ser dividida. a) PAS-KAART VAN DE ZEE-KUSTEN VAN BRAZILIA TUSSCHEN RIO DAS CONTAS E CAB S. THOME. b) PAS-KAART VAN DE ZEE-KUSTEN VAN BRAZILIA TUSSCHEN CABO S. AGOSTINO EM RIO COROI PO. c) PAS-KAART VAN DE ZEE-KUSTEN VAN BRAZILIA TUSSCHEN RIO COROI PO EEN RIO PONICA . d) PAS-KAART VAN DE ZEE-KUSTEN VAN BRAZILIA TUSSCHEN BA HIA BA XA, EM PUNTO DE LUCENA. e) PAS-KAART VAN DE ZEE-KUSTEN VAN BRAZILIA TUSSCHEN CABO DE CUMA, EM BAHIA BAXA.
Lote 185

Nicolas De Fer

LE BRESIL DONT LES CÔTES SONT DIVISÉES EM CAPITAINERIES50 x 62 cmgravura em metal, aquarelado1719Nicolas de FER, Geógrafo do rei Luis XIV (considerado com Samson d‘Abbeville como o pai da cartografia francesa)
Lote 186

Herdeiros De Johann Baptiste Homann

TABULA AMERICAE SPECIALIS GEOGRAPHICA REGNI PERU-BRASILIAE TERRAFIRMAE54 x 63 cmgravura em metal, aquarelado1730
Lote 187

Jeremim Wolff

AMERICA MERIDIONALIS50 x 65 cmgravura em metal, aquareladoJeremim WOLFF, a partir da obra de Guillaume de L‘ISLE. Obs. Esse mapa forma um par com o item subseqüente (constituindo as 2 Américas). Esse par não deveria ser separado, pois é raro encontrar os dois em conjunto, pelo mesmo autor e edição.
Lote 188

Jeremim Wolff

AMERICA SEPTENTRIONALIS50 x 65 cmgravura em metal, aquareladoséc. XVIIJeremim WOLFF, a partir da obra de Guillaume de L‘ISLE. Obs. Esse mapa forma um par com o item anterior (constituindo as 2 Americas). Esse par não deveria ser separado, pois é raro encontrar os dois em conjunto, pelo mesmo autor e edição.
Lote 189

M. De La Condamine

RELATION DU VOYAGE DE L‘AMÉRIQUE MÉRIDIONALE22 x 42 cmgravura em metalséc. XVIIIReproduzido no livro "O Tesouro dos Mapas, a cartografia na formação do Brasil", à p. 318.
Lote 190

Pieter Van Der Aa

LE BRESIL, TERRE DE SAINTE CROIX28 x 32 cmgravura aquareladac. 1700Pieter van der AA., para Academia Real da Ciências. O holandês P. van der Aa (Leyden 1704-1730) editou uma ambiciosa coleção de mapas refinadamente, ilustrados de todas as partes do mundo intitulado "Galerie Agréable du Monde" e ficou famoso depois da visita do futuro imperador da Rússia Pedro I, mas faleceu logo depois, na idade de 26 anos. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 689.
Lote 192

João José De Noronha

PROVINCIE DE SEARA E RIO GRANDE61 x 47 cmgravura em metal, aquarelado1698Freire João José de Noronha, conhecido como SANTA THERESA. O "Santa Teresa" figura sem dúvida entre as duas ou três mais belas obras ilustradas do séc. XVII, sobre o Brasil. Financiado pelo Portugal e impressa em Roma, é uma contundente resposta portuguesa a versão holandesa do grande livro do Barleus. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", p. 163.
Lote 193

João José De Noronha

PROSPETTO DELLA CITTA DI PARAIBA42 x 57 cmgravura em metal, aquarelado1698Freire João José de Noronha, conhecido como SANTA THERESA. O "Santa Teresa" figura sem dúvida entre as duas ou três mais belas obras ilustradas do séc. XVII, sobre o Brasil. Financiado pelo Portugal e impressa em Roma, é uma contundente resposta portuguesa a versão holandesa do grande livro do Barleus. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", p. 163.
Lote 194

Robert De Vaugondy

AMERIQUE MERIDIONALE54 x 65 cmgravura em metal, aquarelado1750Robert de VAUGONDY, filho do geógrafo ordinário do Rei.
Lote 195

Jean Nicolas Bellin

CARTE REDUITE DE L‘OCEAN MERIDIONAL (MAPA DA NAVEGAÇÃO MARÍTIMA)65 x 92 cmgravura em metal, aquarelado1753Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 689.
Lote 196

S. Janvier Géographe Du Roy

L‘AMERIQUE MERIDIONALE DIVISEE EM SES PRINCIPAUX ÉTATS35 x 50 cmgravura em metal, aquarelado1762
Lote 197

S. Janvier Géographe Du Roy

L‘AMERIQUE DIVISÉE PAR GRANDS ETATS36 x 50 cmgravura em metal, aquarelado1806C.F. DELAMARCHE sucesseur de Roberto de VAU GONDY.
Lote 198

V. Levasseur

AMÉRIQUE MERIDIONALE36 x 50 cmgravura em aço, aquareladosec. XIXIlustrações de R. BONHEUR. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú" , à p. 691.
Lote 199

L. Vivien

CARTE GÉNÉRALE DE L‘EMPIRE DU BRÉSIL37 x 42 cmgravura em metal, aquareladoséc. XIXReproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 690.
Lote 200

John Tallis

BRAZIL37 x 27 cmgravura em metal, aquarelado1851Famoso geógrafo e "map maker" da era vitoriana que montou uma prospera firma nos dois continentes. Seus mapas ornados de "vignettes" (pequenas vistas) de todas partes do mundo se tornavam extremamente populares e procurados por colecionadores. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 689.
Lote 201

John Tallis

SOUTH AMERICA37 x 27 cmgravura em metal, aquarelado1851Famoso geógrafo e "map maker" da era vitoriana que montou uma prospera firma nos dois continentes. Seus mapas ornados de "vignettes" (pequenas vistas) de todas partes do mundo se tornavam extremamente populares e procurados por colecionadores. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 689.
Lote 202

John Tallis

WESTERN HEMISPHERE37 x 27 cmgravura em metal, aquarelado1851Famoso geógrafo e "map maker" da era vitoriana que montou uma prospera firma nos dois continentes. Seus mapas ornados de "vignettes" (pequenas vistas) de todas partes do mundo se tornavam extremamente populares e procurados por colecionadores. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 689.
Lote 203

John Tallis

EASTERN HEMISPHERE37 x 27 cmgravura em metal, aquarelado1851Famoso geógrafo e "map maker" da era vitoriana que montou uma prospera firma nos dois continentes. Seus mapas ornados de "vignettes" (pequenas vistas) de todas partes do mundo se tornavam extremamente populares e procurados por colecionadores. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 689.
Lote 204

A. Fullarton

SOUTH AMERICA BRAZIL, MIDDLE PROVINCES COM UM PANORAMA DO RIO EFIGURAS DE J. M. RUGENDAS49 x 34 cmgravura em metal, aquarelado1880Reproduzido no livro "O Tesouro dos Mapas, a Cartografia na formação do Brasil", à p. 129.
Lote 205

M. Lapie

MAPPE-MONDE EN DEUX HEMISPHÈRES48 x 67 cmgravado em aço1831Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p.690.
Lote 206

Autor Não Identificado

SUD AMERICA66 x 54 cmgravado em aço1860Weimar Geographisches Institut.
Lote 207

John Carry

A NEW MAP OF SOUTH AMERICA97 x 62 cmgravado em metal com traços em cor1821
Lote 208

A. Vuillemin

NOUVELLE CARTE DE L‘AMÉRIQUE DU SUD COM VISTAS (VIGNETTES) DOS PAÍSESDA AMÉRICA DO SUL, CURIOSIDADES, FLORA ETC65 x 88 cmgravura em metal, aquarelado1860
Lote 209

F. A. Garnier

AMÉRIQUE76 x 57 cmgravado em aço, aquarelado1860Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 690.
Lote 210

Eugênio Rodrigues

PLANTA DELL‘ENTRATA DELLA BAIA DI RIO JANEIRO, COM UM PANORAMA DABAIA DO RIO DE JANEIRO45 x 62 cmgravado em aço, aquarelado1857"Atlante della Guida Generale per la Navigazione". Reproduzido no livro de Borba de Moraes, II, à p. 743.
Lote 211

J-b. Bourguignon D‘anville

CARTE DU PÉROU43 x 27 cmgravura em metal, aquareladoséc. XVIIITirado da Histoire Générale des Voyages. Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 690.
Lote 212

Guillaume De L‘isle

ORBIS VETERIBUS NOTI TABULA NOVA52 x 57 cmgravura em metal, aquarelado1714
Lote 213

Johann Baptist Homann

GERMÂNIA AUSTRÍACA50 x 59 cmgravura em metal, aquareladoséc. XVII ? XVIII
Lote 214

Tob. Conrad. Lotter

REGNA PORTUGALLIAE ET ALGARBIAE62 x 52 cmgravura em metal, aquareladoséc. XVIIIGeógrafo Imperial.
Lote 215

Guilherme Blaeu

LE CHILI48 x 57 cmgravura em metal, aquareladoséc. XVI
Lote 216

Robert De Vaugondy

CONJUNTO DE 2 MAPAS FAZENDO UM PAR52 x 55 cm (cada)gravura em metal, aquareladoséc. XVIIIa) PARTIE MERIDIONALE DU RO YAUME DE PORTUGAL. b) PARTIE SEPTENTRIONALE DE RO YAUME DE PORTUGAL.
Lote 217

Jean-baptiste Bourguignon D‘anville

ORBIS VETERIBUS NOTUS T. AUSPICIIS SERENISSIMI PRINCIPIS LUDO VICI PHILIPPI60 x 82 cmgravura em metal, aquarelado1763Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 689
Lote 218

G. Bonne

CARTE DE LA TERRE FERME DE LA GUYANE ET DU PAYS DES AMAZONES39 x 53 cmgravura em metal1785Reproduzido no livro "Brasiliana Itaú", à p. 690.
Lote 219

L. Vivien

CARTE DE L‘AMERIQUE SEPTENTRIONALE AVEC LES RÉGIONS POLAIRES43 x 33 cmgravura em aço1825Gravée par Giraldon-BOVINET.
Lote 220

M. Lapie

CARTE DES ÉTATS-UNIS D‘AMERIQUE50 x 65 cmgravura em aço1832
Lote 221

M. Brion

GLOBE TERRESTRE COM MAPA MUNDIS & OBSERVAÇÕES41 x 56 cmgravura em metal1764Engenheiro e Geógrafo do Rei Luis XV.
Lote 222

L. Denis

MAPA MUNDIS COM 8 TIPOS DE ESFERAS41 x 58,5 cmgravura em metal aquarelado1760
Lote 223

Felix Delamarche

TABLEAU ANALYTIQUE DES DIFFÉRENTS SYSTEMES DU MONDE32 x 48 cmgravura em metal, aquarelado1832
Lote 224

Bouasse-lebel

TABLEAU DE COSMOGRAPHIE ET DES DIVERS SYSTÈMES DE LA SPHÈRE53 x 64 cmgravura em metal, aquareladoséc. XIX
Lote 225

Johann Baptist Homann

SCHEMATISMUS GEOGRAPHIAE MATHEMATICAE52 x 60 cmgravura em metal, aquarelado1753